Ana Catarina Portugal & Declev Reynier

City Kitchen, um espaço gastronômico em Nova York que você tem que conhecer

A cena gastronômica de Nova York é sempre uma delícia e toda vez que vamos para lá damos um jeito de conhecer novos lugares, o que é muito fácil, pois a cidade sempre tem novidades.

Desta vez a nossa nova descoberta foi o City Kitchen, que é um espaço gourmet anexo do hotel Row NYC, na região da Times Square, ou seja, onde Nova York ferve.

city-kitchen-3-copia

O ambiente é bem aconchegante e tem acesso tanto pelo lobby do hotel quanto direto da rua, por uma entrada exclusiva.

A ideia desse tipo de lugar é juntar num único ambiente várias opções gastronômicas e tudo com um clima bem descontraído. As mesas, por exemplo, ficam no centro e são comuns a todos os restaurantes (mas está longe de se assemelhar a uma praça de alimentação de shopping) e ainda há grandes bancadas nas vidraças que têm vista para a rua.

city-kitchen-8-copia

No caso do City Kitchen, há 7 opções de restaurantes/lanchonetes, que são a Gabriela’s Taqueria; Dough; ILILI Box; Azuki; Whitman’s burgers; Luke’s Lobster e Kuro-Obi.

O Gabriela’s Taqueria, como o nome já diz, serve tacos, todos feitos com ingredientes caseiros e, se quiser provar um refrigerante mexicano, lá tem.

O Dough prepara os famosos donuts, que os americanos amam, e que podem ser uma ótima pedida para o café da manhã ou um lanche.

O ILILI Box oferece pratos libaneses do famoso chef Philippe Massoud, que já tem um quiosque conhecido em frente ao Flatiron Bulding.

Para quem gosta de comida japonesa, não pode deixar de provar as delícias do Azuki. Ele é uma versão menor de um famoso restaurante que existe na cidade, mas que em nada fica a dever ao seu “irmão mais velho”.

Já para quem quer provar um hambúrguer dos deuses, faça um pit stop no Whitman’s New York, que também serve outros sanduíches e saladas.

O Luke’s Lobster é especializado em sanduíches de lagostas, caranguejos e camarão. O bacana é que além de ter coisas muito gostosas, eles têm a preocupação de que seus produtos venham de uma pescaria sustentável, rastreando a origem de tudo que vendem.

E para quem pensa que comida japonesa se resume a sushi e sashimi, então, precisa conhecer o Kuro-Obi, que tem sopas e petiscos com porco e outras carnes deliciosos.

city-kitchen-7-copia

Então, pra quem quer fugir dos clássicos fast foods e procura um lugar fora da agitação nova iorquina, recomendamos dar uma passadinha no City Kitchen, que consegue juntar ambiente bacana + comidas gostosas.

E, quando for, não deixe de levar o guia Roteiro de 7 dias em Nova York e Arredores, pois ali você tem o roteiro de sua viagem prontinho, pra te poupar tempo e dinheiro.

City Kitchen: a Times Square Food Market

  • Endereço: 700 8th Avenue
  • Funcionamento: de domingo a quarta, das 6:30h às 21h – de quinta a sábado, das 6:30h às 23:30h.
  • Custo: para entrar, é gratuito, só paga o que consumir.
  • Site: citykitchen.rownyc.com

ROTEIRO GASTRONÔMICO PELOS PRATOS TÍPICOS DE MILÃO

Milão é capital da moda na Itália e um dos principais circuitos mundiais, mas você já se deu conta da quantidade de pratos que são originários de lá?

Será que nunca comeu um suculento bife a milanesa?!

Quando estiver na cidade, além de bater perna pelo Quadrilátero de Ouro para ver as novidades da moda, ou visitar o Duomo e todas as várias atrações turísticas que a cidade tem, reserve uma parte do seu tempo para um roteiro gastronômico pela culinária de Milão.

Risotto alla Milanese

O risoto de um modo geral é um prato forte em Milão, mas este, que tem como ingrediente principal o açafrão, é o carro-chefe deles. Conta a lenda que ele foi criado por “vingança”. Um jovem pintor costumava usar a especiaria para preparar suas tintas, mas era zombado por causa disso, então, no dia do casamento do seu mestre ele adicionou açafrão ao arroz, conferindo uma cor amarela, mas também um ótimo sabor.

Por toda cidade você irá encontrar esse prato no cardápio, geralmente servido com Ossobuco, mas se quer ir a um lugar especializado, vá a Casa Fontana-23 Risotti na Piazza Carbonari, 5.

risotto-alla-milanese-2

Cotoletta alla milanese

Nós o conhecemos como bife a milanesa, mas em Milão o seu nome, de fato, é cotoletta alla milanese, pois a carne vem com o osso, não é um simples bife, e pode ser de vitela ou porco. A carne passada no ovo e na farinha de rosca se tornou bastante popular na Argentina e no Chile, mas também por aqui e quando estiver em Milão, em alguns restaurantes poderá encontrar a versão biffi alla milanese.

Para saborear uma boa cotoletta você poderá ir ao Dammatrà,  Via Elia Lombardini, 1 ou, se estiver diposto a gastar mais, ao Ristorante in Galleria Biffi na Galleria Vittório Emanuele II.

L’Ossobuco

Já que falamos nele! Por origem seria um “osso furado”, ou seja, é a carne que fica em volta da canela do boi, mas como é cortada em rodela, com o osso no meio (e o tutano dentro), ganhou esse nome. Ele é uma espécie de ensopado e servido principalmente como risoto, mas também com polenta.

osso-buco-

Panini

E na hora do lanche, como não experimentar o panino (panini é no plural)?! Esse sanduíche prensado, recheado com algum tipo de queijo e embutidos é uma febre milanesa e você nem vai precisar se afastar muito do centro turístico para comer um dos melhores da cidade, pois pertinho do Duomo, no Al Panino (Via Agnello, 6), você tem um cardápio com uma grande variedade de panini ou ainda no De Santis (Corso Magenta, 9), que dizem que inventou o panino gourmet

Boa viagem e bom apetite!

Buenos Aires: Casas de chá e cafés que valem a visita

Buenos Aires é uma cidade famosa por seus cafés, alguns históricos, os chamados de cafés notáveis, como é o caso do Tortoni e La Biela e, atualmente, vive uma efervescência com charmosas casas de chá.

Como eu a-do-ro chá, não podia deixar de bater ponto em algumas delas, embora existam ainda vários outros lugares que estão na minha listinha, mas que ficaram para a próxima visita à cidade.

Veja aqui alguns lugares, entre clássicos e moderninhos, que visitei por lá e que valem por um passeio:

Café Tortoni

Avenida De Mayo, 825 – Centro

Este quase dispensa apresentação, pois é um clássico de Buenos Aires e, por isso mesmo, não se assuste se encontrar uma fila na porta. Ele é o mais antigo da cidade: abriu suas portas em 1858 e, além de serviço de café e chá, também serve refeições e tem show de tango à noite.

Como ele fica pertinho da Casa Rosada e do Obelisco, no dia que for visitar esta parte da cidade, aproveite para dar uma passadinha por lá.

Os preços são um pouco salgados e o atendimento nem sempre é o mais simpático, mas o lugar é bem bonitinho, clássico e com bons pratos. Se você gosta de lugares históricos, é visita obrigatória.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Las Violetas

Avenida Rivadavia, 3899 – Almagro

Apesar de um pouco fora da rota turística tradicional, vale a pena ir até lá para tomar um [muito] bem servido café da manhã ou chá da tarde. Instalado em um edifício com mais de 100 anos, decorado com lindos vitrais, tem ótimo atendimento e comidinhas deliciosas.

Ele é um dos meus lugares preferidos, pois se come bem, fartamente e sem gastar muito e eu até já escrevi um post sobre ele aqui no blog, o “Café da manhã ou chá da tarde no Las Violetas em Buenos Aires“, se quiser saber mais.

cha-em-buenos-aires

Tea Connection

Vários endereços pela cidade

Ambiente moderninho e muito bem decorado, pratos deliciosos e atendimento impecável. Esta é definitivamente a casa de chá – trata-se de uma rede, na verdade – que eu mais gosto em Buenos Aires.

Eles têm toda uma preocupação ecológica e quem chega lá, por exemplo, de bicicleta, tem 10% de desconto. O wi-fi é liberado e o ambiente é super agradável, por isso, acho que ele é um lugar perfeito para passar um bom tempo.

Não deixe de experimentar um de seus chás ou uma de suas águas saborizadas, além das ótimas saladas e sanduíches, tudo glutém free e com ingredientes super frescos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

El Último Beso

Calle Nicaragua, 4880 – Palermo Soho 

“Escondido” num casarão antigo, o lugar é super charmoso e romântico. Serve café, almoços leves e lanches. Eles usam uma louça antiga e tudo tem um toque bem vintage. Se você estiver batendo perna por Palermo, este é um lugar ideal para fazer uma pausa dos passeios.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bonjour Paris

Calle Uruguay, 1145

De todos os lugares que visitei, este é o mais simples, mas o ambiente pequenino e charmoso torna esta casa de chá uma boa pedida para um café da manhã ou um lanchinho sem pressa no fim do dia. Se você, por exemplo, estiver visitando a livraria El Ateneo, pode aproveitar para tomar um chá aqui depois, 😉

Este slideshow necessita de JavaScript.

La Biela

Avenida Quintana, 600 – Recoleta

Considerado um dos cafés notáveis da cidade, fica no coração de Recoleta. Seu interior não tem nada de mais, a decoração é até bem simples e, se for sentar na parte de fora, pagará a mais por isso. Mas assim, como o Tortoni, o La Biela também é um clássico e cheio de história, por isso, mesmo que seja só para um cafezinho, dê um pulinho lá e não deixe de tirar uma foto com “Borges e Bioys Casares”.

dicas-de-buenos-aires

Hotel Alvear

Para quem gosta daquele tradicional chá da tarde inglês, tem que viver a experiência de tomar um no Alvear, o hotel mais chique da cidade! O ambiente super sofisticado e clássico, o atendimento impecável, as louças, as comidinhas, enfim, tudo, já valem a ida até lá, ainda que o preço seja bem salgadinho. Nós fomos e contamos tudo em detalhes no post “O clássico chá da tarde do Hotel Alvear em Buenos Aires“.

dicas-buenos-aires

Estes são alguns lugares que fui e recomendo bastante, mas ainda tem muitos outros que quero conhecer, entre eles o Pierina Tea House, o Nucha, o Croque Madamme (que fica no Museu de Arte Decorativo) e o Tealosohpy. E você, conhece algum outro lugar que merece menção?! Se sim, deixe nos comentários aqui embaixo, :-)

E, quando for, não deixe de ler todas as nossa outras dicas de Buenos Aires e nem de conferir o nosso guia “Roteiro de 7 dias em Buenos Aires e arredores“.

Boa viagem!

Postado originalmente no blog Turista Profissional por Ana Catarina Portugal e Declev Reynier.